Provedor das armadas

Vasco da Gama (Vice Rei da Índia) obtém autorização Real para proceder a uma das decisões políticas que influenciam o Projecto das Descobertas: a criação do estatuto de “Porto de Escala Obrigatória” em Angra. Esta medida, que assegura ao Reino de Portugal a cobrança de taxas sobre qualquer embarcação e mercadorias atravessando o Atlântico, era executada na Ilha Terceira, em Angra, onde tinha sido criada a Provedoria da Armada, com esta e outras finalidades. Uma primeira proposta de Estatutos regendo esta acção foi enviada para a Ilha pelo Rei D. Sebastião, para ajustamentos. Em 1527 os deveres do Provedor estavam já em função, como suporte às frotas da Índia, Mina, Guiné e Brasil. Estas funções cobriam especialmente as seguintes áreas: a) protecção à propriedade real quando em perigo; b) aviso à Casa Real quando as águas dos Açores estivessem sob a ameaça de piratas; c) defesa dos navios quando em perigo; d) salvamento e guarda da propriedade real quando em viagem sofresse naufrágio; e) assistência e controlo no embarque de cereais para o reino e Norte de África.

O Solar dos Remédios, agora Departamento da Saúde, do Governo Regional dos Açores, foi construído em 1556/1572, por António do Canto, e reformado por um dos seus filhos, Manuel do Canto, entre 1599/1625, quando assume o cargo de Provedor, tornando-se o mais rico herdeiro Açoriano de um Morgadio. O cargo permaneceu na família até à extinção do mesmo, quando Angra perde o estatuto de Porto de Escala, no século XVIII.



A Ermida de Nossa Senhora dos Remédios, o primeiro edifício a ser construído no Solar, data de 1556. Sendo possível visitá-la durante a semana, em horário de trabalho.