Descobertas

O primeiro interesse económico a mover os Portugueses na direcção da criação do Projecto das Descobertas, com o qual procuravam estabelecer um caminho marítimo para a Índia, deveu-se ao bloqueio estabelecido contra os mercados orientais de especiarias, sedas e outros, causado pela guerra com a Turquia (1453). As cortes reais Europeias, que contavam com estas mercadorias para aumento do seu prestígio (tecidos), assim como para melhoria de qualidade da sua culinária (especiarias) e conforto, utilizavam Veneza como ponto de intercâmbio comercial entre a Europa e o Oriente.
Com a crescente instabilidade e depois a guerra, que obstruiu a via usual, os Portugueses tentaram conquistar esse mercado, estabelecendo uma nova linha de transporte que substituía as caravanas de camelos por embarcações, que iriam navegar ao longo da costa Oeste de Africa (embora ainda ignorando se ela daria passagem para o Oceano Indico).
Ao iniciarem a passagem marítima, depressa descobrem a sua impraticabilidade de retorno a Lisboa, devido às correntes marítimas. Rodeando estas correntes pelo Oeste, descobrem a Ilha da Madeira e depois os Açores. Utilizando a potência da corrente do Golfo para Norte, que os leva aos Açores, assim como os ventos predominantes de Oeste que sopram na direcção de Lisboa, a viagem tornava-se relativamente simples.
Outra razão levou os navegadores até aos Açores: procuravam uma passagem para a Índia, por Oeste. Este empreendimento já tinha sido tentado pelos Corte-Reais e outros, a partir dos Açores, onde construíram as próprias embarcações, chegando às costas da América (Newfoundland), muito antes de Colombo.
O sucesso da empresa depressa despertou rivalidades internacionais, trazendo à cena países com experiência náutica, como sejam a Holanda, a Inglaterra e a Espanha que se envolvem em disputas pelos direitos deste mercado. Com problemas na sucessão do trono, Portugal perde a independência para Espanha, passando ao regime dos Filipes durante 60 anos, entre 2580 e 1640.
A Ilha Terceira resistiu durante dois anos (1580-1582), derrotando a Armada Espanhola na sua tentativa de desembarque em 1580, sendo tomada dois anos mais tarde devido a traição das suas defesas (de tal forma estava bem defendida). Uma vez estabelecidos na Ilha, os Espanhóis aumentam ainda mais as defesas, construindo o Castelo de S. Filipe (agora Castelo de S. João Baptista). Famosos piratas e corsários, como Sir Francis Drake e Lord Chamberlain, entre outros, nunca conseguiram pisar a terra da Ilha Terceira (embora o fizessem noutras das ilhas do Arquipélago, onde se abasteciam).
Como parte da política regendo as Descobertas, o navegador portugues Vasco da Gama (Vice Reid a Índia, 1490s), obteve autoridade Real para estabelecer Angra como Porto de Escala. Esta medida permitiu ao reino português impor taxas às mercadorias e embarcações cruzando o Atlântico. O controlo deste imposto foi mantido pelo Provedor das Armadas, cargo criado para este fim.